ORDEM E PROGRESSO

As duas rodas sempre foram um passatempo apaixonante e a BMW Motorrad de tudo tem feito para assegurar que esse fenómeno se mantém intacto ao longo dos quase 100 anos de existência. Talvez seja por isso que a marca mantenha os mais altos padrões de inovação e qualidade e que seja ainda hoje, a campeã de vendas no sector. Nesse sentido, e como quem não arrisca não petisca, a BMW volta a dar o passo decisivo na revolução do mercado com o nascimento da R NINE T. Bem mais do que um exercício de design, esta é uma mota de culto cujas linhas remontam para um espírito revivalista dos anos 60, ainda que não descure a tecnologia de ponta tão característica da marca. O Bom Rebelde esteve aos comandos desta purista das estradas e elege agora o creme de la creme da nova coqueluche BMW.

PURO DESIGN

Passeámos por Monsanto e Lisboa, e o feedback foi sempre o mesmo: olhares indiscretos que bajulavam a imagem descontraída com toques de liberdade e o som inconfundível do escape Akrapovic. O desenho de tudo é nesta R Nine T sem duvida muito apelativo, em especial na decoração dourada de fundo negro, que verdadeiramente personalizada, fica arrebatadora.

É impossível falar da R Nine T sem olhar para algumas das soluções técnicas utilizadas. Esta heritage é alimentada por um motor Boxer bicilíndrico a quatro tempos refrigerado a ar e óleo, que debita 110cv de potência - mais do que suficientes para curvas cheias de adrenalina.

A ciclística é irrepreensível, para qualquer tipo de estado de espirito, quer seja ele mais rebelde ou de teor mais pacifico. Já a segurança é garantida pelo competente sistema de travagem a cargo da Brembo, com ABS de série. 

O painel de instrumentos composto por contra-quilómetros e conta-rotações não só remonta aos velhinhos anos 60, bem como realça o toque minimalista e imagem aligeirada deste modelo. Conta igualmente com um display multifunções de informações uteis, uma forquilha telescópica no eixo dianteiro e uma Paralever BMW Motorrad no eixo traseiro. Com um peso avaliado nos 222 kg, a R9T mostra em cidade boa agilidade, porém liberta toda a sua garra em estradas repletas de curvas e contracurvas. O depósito tem uma capacidade de 18 litros e os pneus são 120/70 R17 na dianteira e 180/55 R17 da traseira. 

FEITA PARA AGRADAR

Numa época em que o segmento “heritage” monopoliza atenções e posições cimeiras de venda, a BMW faz definitivamente sonhar todos os que desejam ter “aquela” mota arrojada e extremamente artilhada. As opções de personalização são muitas, desde preferências técnicas (como a remoção da secção traseira do quadro) aos novos catálogos Motorrad Spezial que prometem meter muitas calculadoras a funcionar. 

O “Santo Graal” das cafe racers

Após um dia de muitas voltas em Lisboa e Monsanto, ficámos abismados com o modelo. Aliás, de uma mota BMW outra coisa já não seria de esperar, no entanto, vimos nesta R Nine T uma pureza e autenticidade únicas. Distinta em vários fundamentos da sua irmã Scrambler, este modelo tem uma óptima base de evolução para os próximos anos e vem confirmar mais uma vez a excelente forma da equipa de inovação da marca bávara.

A R Nine T está disponível no mercado nacional a partir dos 16 268 euros. A nossa, veio em modo empréstimo pelo stand Motomil. Um bem haja!