um olhar sobre o futuro  

Fomos testar a Ducati Scrambler ao LX Factory e garantimo-vos, esta ragazza não é um modelo fácil para os amantes da marca mais conservadores, mas abre definitivamente portas a muitos outros. 

Em 2015, o sector das duas rodas espelhava um grande interesse no conceito Scrambler, à qual a italiana Ducati não escapou. Nesse sentido, a marca de Bolonha lançou-se num campo desconhecido, que implicou a criação de uma sub-marca que permitisse a integração de novos modelos Scrambler, com valores mais simples, maior liberdade de expressão, e que se distanciassem de certa forma do tradicional universo Ducati.  Com um trabalho de casa bem feito em termos de comunicação e imagem, surge então a Scrambler Classic, que tivemos agora oportunidade experimentar no hit market de Lisboa, o LX Factory. 

A Scrambler é de facto, uma mota sem o aspecto habitual da Ducati, o que nos deixou reticentes num primeiro contacto. Foi realmente necessário conduzi-la para a entender: Os primeiros quilómetros são de habituação, mas para surpresa nossa, é uma mota de resposta eficaz, facilidade de condução tremenda e com uma ciclística irrepreensível.

Com um motor 4T bicilíndrico em L refrigerado a ar, potência de 75 cv, amortecedor e forquilha invertida assinados pela Kayaba, sistema de travagem da Brembo, ABS de série e painel de instrumentos simplificado, esta Scrambler tem um design simpático e acabamentos satisfatórios. Em destaque, salientam-se os pneus desenvolvidos em exclusivo para o modelo – os MT60RS,  a cargo da Pirelli. 

VEREDICTO

A Ducati Scrambler coloca a marca italiana definitivamente na rampa de lançamento para o sucesso,  não só pela relação qualidade/preço mas também pelas variadíssimas opções de personalização que apresenta.

Ainda que se afaste dos cânones a que fomos habituados pela Ducati, é garantidamente uma mota concebida para todos, dos 18 aos 80.